Cooperação Brasil – China

A relação entre o Serviço Geológico do Brasil - CPRM e o Geological Survey of China - GSC teve início em setembro de 2007, quando a CPRM recebeu a visita da delegação chinesa, constituída por seis membros, sob a liderança do então diretor-geral do GSC. Na ocasião, foi assinado o Memorando de Entendimento (MOU) entre as duas instituições e foram selecionadas áreas de interesse mútuo, visando ao desenvolvimento de propostas de projetos nos seguintes temas:

  • Transferência de tecnologia em técnicas de mapeamento e metodologia de processamento de dados GIS abrangendo captura de dados, modelagem e análises de integração espacial 2D e 3D.
  • Desenvolvimento e aplicação de tecnologias em exploração mineral em áreas de densa cobertura vegetal (e.g. Amazônia).
  • Investigações, estudos conjuntos e troca de experiências laboratoriais em Geocronologia (SHRIMP) e execução de análises químicas de material de rocha.
  • Geologia Marinha e Geofísica.

Em março de 2008, uma nova delegação chinesa, constituída por técnicos do GSC e representantes dos Ministérios da Terra e Recursos Naturais e de Finanças, visitou a CPRM para dar prosseguimento à parceria, conforme previamente acordado pelas Partes (CPRM e CGS). A delegação chinesa apresentou técnicas digitais e aplicações de sistemas digitais em pesquisa geológica. Os sistemas apresentados foram o RGMap (em laptop) para captura de dados e edição e processamento de dados em lap-top, por PDA (equipamento móvel) para uso no campo. A CPRM demonstrou interesse em absorver as tecnologias a serem desenvolvidas em duas áreas pilotos, uma na Amazônia e outra fora dela, para aprimoramento do GeoBank.

Em 2010 ocorreram três ações distintas no âmbito da Cooperação Brasil-China:
  • Visando à estreitar laços entre os dois países, a convite do Governo da China uma missão da CPRM, integrando a delegação brasileira, participou da Feira Internacional EXPO-Xangai 2010, que teve como tema “Better City, Better Life”. Na ocasião o Diretor-presidente da CPRM proferiu a palestras “CPRM e suas Atividades” no encontro Brazilian Mining Opportunities e durante a mesa redonda Pulsing Cities-Land Management.

  • Como segunda ação, técnicos da CPRM, a convite do governo chinês, participaram do evento “Symposium on Urban Geology”, promovido pelo International Union of Geological Survey – IUGS e o China Geological Sciences (CGS), realizado também em Xangai, China.

  • A realização de um seminário, no Escritório da CPRM, no Rio de Janeiro, no final de dezembro de 2010, correspondeu a terceira ação. Com a participação de técnicos da CPRM e do CGS, foram discutidas e selecionadas ações pelas Partes para serem executadas por CPRM e CGS, através do desenvolvimento de atividades de cooperação, com base em novo instrumento legal (agreement). Na ocasião renovou-se o Memorando de Entendimento (MOU), previamente assinado em 25 de setembro de 2007. Nesse evento, a CPRM submeteu 02 (duas) propostas técnicas:
    (a) Projeto Caracterização Geológica e Metalogenética da Formação Ferrífera Bandada (BIF) no Cráton do São Francisco, Brasil; e
    (b) Projeto Entendimento sobre a Evolução Geológica do Cráton da Província Amazonia Central, no Craton Amazônico, aceitas pelo CGS. E o lado chinês apresentou proposta única: Projeto Atividades Vulcânicas no Mesozóico e Evolução Cratônica no Paraná, Brasil.
    As instituições concordaram em implementar esses projetos a curto prazo. Em adição, a CPRM sugeriu a troca de conhecimento e tecnologia nas áreas de geologia urbana em áreas de risco geológico e monitoramento de deslizamentos de terra, ocasião que o CGS comprometeu-se a discutir o assunto a longo prazo. O CGS concordou em treinar dois geólogos da CPRM na tecnologia SHRIMP e no acesso remoto ao equipamento SHRIMP, a partir do Rio de Janeiro.

Embora as Partes – CPRM e CGS tenham acordado a consolidação do Acordo (Agreement) para o exercício de 2011, para o Projeto Caracterização Geológica e Metalogenética da Formação Ferrífera Bandada (BIF) no Cráton do São Francisco, Brasil, o instrumento contratual foi assinado, porém não foi firmado.

O ano de 2012 foi marcado por novos contatos com diferentes instituições chinesas, com a visita de diversas delegações à CPRM, Rio de Janeiro, conforme a seguir discriminado:
  • Março de 2012: China Earthquake Administration – CEA. No encontro o diretor geral do Departamento de Ciência e Tecnologia para Cooperação Internacional do CEA apresentou as atividades desenvolvidas pela instituição com destaque para os projetos relacionados à minimizar riscos causados por terremotos na China, merecendo destaque as ações do CEA quanto às situações de emergência, principalmente no que diz respeito à Plano de Logística e Resgate da População nas Áreas de Risco. Foi também abordado o emprego de ondas sísmicas para detectar depósitos minerais e ajudar no entendimento de evolução geológica.

  • Maio de 2012: Ministry of Land and Resources of China – MLRC: o MLRC compreende 03 (três) instituições: Departamentos de Recursos Minerais, Geological Survey (CGS) e Departamento do Carvão. Durante o encontro discutiu-se possível intercâmbio na área de recursos minerais, bem como o interesse dos chineses pela Geologia no Brasil. A China conta com o mapeamento de todo seu território na escala 1:200.000. A produção mineral da China é de 9 milhões de toneladas / ano (dado de 2011) e sua administração é de responsabilidade conjunta dos governos federal e local. O MLRC manifestou interesse em investir na exploração de recursos minerais no Brasil.

  • Junho de 2012: China National Administration of Coal Geology – CNACG ligada ao Ministério da Indústria do Carvão, criada em 1953, após meio século de desenvolvimento, o CNACG tem uma equipe multidisciplinar de exploração geológica, que integra pesquisa e avaliação de recursos de carvão, de perfuração, exploração geofísica, hidrogeológia, geologia de engenharia, geologia ambiental, riscos geológicos, laboratório e testes tecnológicos, sensoriamento remoto, geologia e química do carvão, exploração de produtos minerais e de outros recursos minerais sólidos (líquidos), pesquisa e desenvolvimento, prospecção de engenharia e usinas de beneficiamento. O CNACG desenvolveu um sistema sobre geologia do carvão com características particulares, levando a instituição a tornar-se líder mundial na técnica de prospecção de carvão. Os motivos da visita a CPRM foram:
    (a) discutir a distribuição e potencialidade mineral do Brasil;
    (b) conhecer as políticas de exploração mineral no País para empresas estrangeiras;
    (c) em manifestar interesse investimentos em meio ambiente ligado à área de mineração; e
    (d) discutir formas de firmar cooperação técnica com a CPRM no tema exploração mineral.

  • Julho de 2012: China Geological Survey – CGS, com o objetivo de analisar o avanço da cooperação entre a CPRM e o CGS, com base no Memorando de Entendimento (MOU), assinado em 08 de dezembro de 2010. Na reunião discutiu-se as propostas maturadas anteriormente: (a) Projeto Caracterização Geológica e Metalogenética Regional das Formações Banded Iron Formations no Cráton do São Francisco, Brasil, e do (b) Projeto Avaliação da Evolução da Província da Amazônia Central. Na ocasião o CGS:
    (a) propôs receber técnicos brasileiros para treinamento em SHRIMP, em Beijing, China; e
    (b) oficializou convite para o Presidente da CPRM participar da China Mining Conference and Exhibition, feira de mineração realizada na China, anualmente, no mês de novembro. O lado chinês destacou que a CPRM e o CGS têm vários pontos em comum e que este é um bom momento para se avançar com a cooperação técnica entre Brasil e China, visto que os dois países participam do BRICS, grupo político de cooperação formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Na oportunidade o lado brasileiro informou:
    (a) que a CPRM não considera prioritário a execução do Projeto Avaliação da Evolução da Província da Amazônia Central baseado nos Estudos de Geocronologia U-Pb e Isótopo Sm-Nd; e
    (b) o Diretor técnico da CPRM explicou as alterações realizadas na redação do Acordo do Projeto do Cráton do São Francisco, além de enfatizar necessidade de estudos comparativos dos depósitos de REE do Brasil, da China e da África. Os representantes chineses concordaram com as alterações propostas pelo lado brasileira e reforçaram a expectativa de assinar o Agreement referente ao Projeto São Francisco até novembro de 2012.

  • Novembro de 2012: Diretor-presidente e o Diretor de Geologia e Recursos Minerais da CPRM, a convite do CGS, participaram da 14ª Exposição e da Conferência de Mineração em Tianjin, China. A missão teve também o objetivo de dar continuidade às negociações do Acordo de Cooperação Brasil – China. Nesse encontro foram acordados os seguintes itens:
    (a) treinamento de técnicos brasileiros na operação do equipamento SHRIMP para datação U-PB em amostras coletadas no Brasil;
    (b) desenvolvimento de programa de cooperação mútua em mestrado e/ou doutorado;
    (c) programa de mapeamento geológico no Brasil no Cráton do São Francisco (Região Ibitiara, BA) e na China (Província North Jiangxi) com visita a depósitos minerais;
    (d) programa de levantamento geoquímico de detalhe, treinamento em amostragem, análises e interpretação numa área de 3.000 km2, em Ibitiara - Bahia.

  • Dezembro de 2012, e posteriormente em julho de 2013, a CPRM recebeu no Escritório do Rio de Janeiro, a visita da delegação da Província de Hubei, China, objetivando discutir possível cooperação técnica, com ênfase em pesquisa mineral, técnicas de mapeamento geológico e risco geológico.

Em janeiro de 2013, o Diretor de Geologia e Recursos Minerais e a chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais da CPRM receberam, na sede da CPRM, em Brasília, a visita de delegação chinesa do Centro de Pesquisa de Nanjing – CPN, vinculado ao China Geological Survey - CGS, visando à discussão de Acordo de Cooperação entre os dois serviços geológicos- CPRM e CGS, para o desenvolvimento do projeto, que passa a ter nova denominação: Projeto Avaliação Geológica e Metalogenética Regional dos Principais Depósitos de Formações Ferríferas Bandadas no Cráton São Francisco e Cinturões Proterozóicos Marginais Orientais, Brasil. Foram rediscutidos e revisados os objetivos do projeto, abrangendo:
(a) investigação da geologia regional;
(b) características metalogenéticas das formações ferríferas bandadas (BIF’S) no Cráton São Francisco (CSF) e nos seus terrenos proterozóicos marginais retrabalhados;
(c) aprimorar o conhecimento geral sobre a evolução tectônica e a metalogenia das BIF’s, com base em estudos geocronológicos; e
(d) desenvolver estudos comparativos entre as BIF’s do Cráton São Francisco com os ricos depósitos de ferro das BIF’s da Província Jiangxi (PJ), na China.

Em julho de 2014, as Partes - CPRM e CGS firmaram o Acordo de Cooperação (Agreement Reserche) para a execução do Projeto Avaliação Geológica e Metalogenética Regional dos Principais Depósitos de Formações Ferríferas Bandadas no Cráton São Francisco e Cinturões Proterozóicos Marginais Orientais, Brasil. As Partes acordaram focar o treinamento com base na permuta de conhecimento sobre o mapeamento geológico, amostragem geoquímica, investigações laboratoriais e interpretação de dados, com trabalho de campo nos dois países. Foi também acertado que as equipes brasileiras e chinesas, esta através do Centro de Pesquisa de Nanjing – CPN, dariam início das atividades do projeto no Brasil em inicio em outubro de 2014. O CPN aguarda definições da CPRM para implantação do projeto com início das atividades de amostragem geoquímica.





© Copyright CPRM 2016. Todos os direitos reservados.