Projeto Pesqueira

Início: 08/2004; Término: 08/2006; Duração: 24 meses



Objetivo e Justificativas

São objetivos deste projeto:

  1. Dotar a área de uma cartografia atualizada compatível com a escala proposta em meio digital;
  2. Estudar e ampliar o potencial da área para rochas ornamentais e minerais industriais, caracterizando os complexos graníticos da área, uma vez que ela é dominada por corpos graníticos ainda não potencialmente estudados, tanto sob o ponto de vista científico quanto econômico;
  3. Caracterização geocronológica: (a) Terreno Pernambuco-Alagoas através de datações U-Pb nos Complexos Belém do São Francisco e Cabrobó; (b) Complexo Pão de Açúcar e Complexo Floresta sob o ponto de vista regional (analisando se eles representam uma unidade ou se são diversos entre si); (c) relação entre a Suíte Serra da Taquaritinga e o Complexo Vertentes; (d) datações dos tipos litológicos pertencentes à Suíte Camalaú;
  4. Caracterização geocronológica do terreno Rio Capibaribe;
  5. Caracterização geocronológica do terreno Alto Moxotó.


A área proposta corresponde a um dos segmentos da Província Borborema desprovido de informações geológicas atualizadas, principalmente no que tange à evolução crustal, por falta de datações geocronológicas e também pela ausência de um reconhecimento geoquímico regional para uma melhor visualização do potencial metalogenético.

Na região do domínio dos terrenos Rio Capibaribe e Pernambuco-Alagoas registra-se a ocorrência de granitos potencialmente utilizáveis para rochas ornamentais. Neste trabalho será dada ênfase à localização de afloramentos similares àqueles já em atividade de lavra na região, visando à ampliação da produção dessa matéria-prima nos estados de Pernambuco e Paraíba.

Na região sul da folha será dada ênfase ao estudo dos corpos plutogênicos visando a detectar anomalias de Terras Raras. Isso se justifica pelo crescente mercado da indústria de metais de alta tecnologia, que inclue magnetos permanentes, autocatalisadores, cerâmicas piesoelétricas, lasers e supercondutores de alta temperatura. A exemplo da China, de onde se têm informações a respeito de descoberta de depósitos importantes do tipo adsorção de íons em crosta de intemperismo de granitos não especializados, uma boa perspectiva se abre para essa porção da folha, na Zona da Mata Agreste, onde ocorrem granitos alterados de clima quente úmido subtropical com possibilidades de identificação dos elementos Terras Raras.


Localização e Acesso

A Folha Pesqueira está inserida na mesorregião do Agreste, microrregião do Vale do Rio Ipojuca e de nascente do Rio Capibaribe. Também é caracterizada por área de reserva indígena no estado de Pernambuco. A área encontra-se geotectonicamente inserida na região centro-sul da Província Borborema, englobando três terrenos tectonostratigráficos: o Terreno Rio Capibaribe; o Terreno Alto Moxotó - sendo esses dois separados através da ZCT Congo-Cruzeiro do Nordeste - e o Terreno Pernambuco-Alagoas, que ocupa o sul da área e encontra-se separado dos demais através do Lineamento Pernambuco. Essa região encontra-se delimitada pelas coordenadas geográficas 08o00 a 08o30´S e 36o30’ a 37o00’ W, abrangendo dominantemente o estado de Pernambuco e, ao norte da folha, parte do estado da Paraíba.


Geologia Regional

A Folha Pesqueira está inserida na região centro-sul da Província Borborema. Os principais compartimentos dessa província foram delineados por Brito Neves (1975), que definiu uma hierarquia tectônica constituída por sistemas ou faixas de dobramentos, maciços medianos e lineamentos, cujas raízes foram mantidas em estudos recentes de cunho estrutural/geocronológico (Van Schmus et al., 1995; Brito Neves et al., 1995a; Neves et al., 2000) e renovadas com a aplicação dos conceitos da tectônica de terrenos tectono-estratigráficos (Brito Neves et al., 1995; Santos, 1995; Santos & Medeiros, 1999).

Na Província Borborema, alguns núcleos encontram-se preservados em meio a um embasamento gnáissico-migmatítico predominantemente paleoproterozoico. Correspondente a este embasamento na Folha Pesqueira, no domínio do Terreno Alto Moxotó, aparece o Complexo Floresta, datado de 2115 Ma (Santos et al., 1994) e plutonismos paleoproterozoicos. No domínio geográfico do Terreno Rio Capibaribe é representante desse embasamento o Complexo Pão de Açúcar. De acordo com mapas regionais, o Mesoproterozoico na área abrangida pela Folha Pesqueira encontra-se representado ora pela sequência metassedimentar Sertânia no Terreno Alto Moxotó; ora pela sequência metavulcanossedimentar Vertentes no Terreno Rio Capibaribe e ora pelos tipos litológicos dos complexos Cabrobó e Belém do São Francisco no Terreno Pernambuco-Alagoas. O Brasiliano na Folha Pesqueira é caracterizado por intensa granitogênese de natureza ainda pouco estudada (com exceção para o Batólito Caruaru-Arcoverde – Neves & Mariano, 1997), associada muitas vezes às zonas de cisalhamento, incluindo a do principal lineamento na área, Lineamento Pernambuco e suas ramificações. No Fanerozoico, destaca-se a presença de aluviões de grande porte relacionados às zonas de nascente dos rios Ipojuca e Capibaribe.


Metodologia

O projeto será desenvolvido em três etapas, que se encontram abaixo descritas:

  1. Etapa Preliminar:
  2. Esta etapa consta de compilação e análise bibliográfica, de fotointerpretação de imagens Landsat–TM na escala 1:100.000 e de aerofotos na escala 1:70.000, seguida da elaboração do mapa geológico preliminar a partir da integração da interpretação geológica e dos mapas pré-existentes.

    Os dados geofísicos levantados serão tratados e processados. A interpretação preliminar deles deverá ser integrada aos trabalhos de tratamento de imagens, dados bibliográficos com a finalidade de produzir o mapa geológico preliminar. A seguir, objetivando alvos específicos para prospecção e detalhamento, serão utilizados os dados de aeromagnetometria e gamaespectrometria do Projeto Aerogeofísico Cariris Velhos (GEOFOTO S. A, 1977), o qual foi executado com os seguintes parâmetros:

    Métodos:
    Magnetometria e Gamaespectrometria
    Contratante:
    CPRM
    Contratado: GEOFOTO S.A.
    Contrato: 322/DAD/76 - 19/10/76
    Período: 11/76 a 02/77
    Número de Áreas:01
    Total de Perfis: 37.500 km
    Intervalo (AM): 2 s
    Altura de Voo: 150 m
    Área Total: 68.000 km²
    Direção (LV): N-S
    Espaçamento (LV): 2 km
    Direção (LC): E-W
    Espaçamento (LC): 20 km
    Tempo de Integração Gama (s): 2
    Produtos: Registros analógicos dos perfis e dos testes; fotomosaicos com posicionamento dos perfis; filmes de rastreio; fitas magnéticas de campo.



    No levantamento aeromagnetométrico foi utilizado o aeromagnetômetro de prótons, modelo G-803 da GEOMETRICS, com o sensor montado na ponta da cauda (stinger) da aeronave Islander. No levantamento gamaespectrométrico o volume total dos cristais detectores de iodeto de sódio (NaI) ativado a tálio foi de 1018 polegadas cúbicas, sendo usado o aerogamaespectrômetro modelo EXPLORANIUM DIGRS-3001.

    Este projeto teve os seus dados radiométricos convertidos de contagens por segundo (cps) para concentração de elementos - percentagem (%) para K, parte por milhão (ppm) para equivalente Urânio (eU) e equivalente Tório (eTh) e Microroentgen por hora para o Canal de Contagem Total - a partir da técnica denominada de back-calibration. Tal técnica foi transferida para a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM através do Projeto "Brazil Airborne Radiometric Mapping Project" (GSC, CPRM e PGW, 1997), de acordo com o Convênio de Cooperação Técnica entre a CPRM e o Geological Survey of Canada - GSC, com a participação da empresa canadense de consultoria em Geofísica Paterson, Grant & Watson Limited - PGW, com o apoio financeiro da Canadian International Development Agency - CIDA - Canada-Brazil Cooperation Project for Sustainable Development in the Minerals Sector.


  3. Mapeamento geológico, reconhecimento geoquímico e cadastramento de recursos minerais:
  4. Os trabalhos de campo foram desenvolvidos em seis etapas paralelos ao cadastramento mineral.

    A área compõe-se de vários segmentos tectono-estratrigráficos, assim representados: na metade inferior da folha, pelo Terreno Pernambuco-Alagoas, e na metade superior delimitada pelo Lineamento Pernambuco, pelos terrenos Rio Capibaribe e Alto Moxotó, que se separam entre si através da Zona de Cisalhamento Congo-Cruzeiro do Nordeste.

    Os trabalhos de campo serão planejados em uma base geológica integrada e fotointerpretada, utilizando-se perfis transversais aos trends das unidades, cuja finalidade é a de melhor caracterizar as relações estratigráficas e estruturais entre elas, além de melhor definir os segmentos tectono-estratigráficos contidos na folha.

    Nos corpos plutônicos, movimentados ou isotrópicos, serão levantadas informações relativas à textura, tonalidade, padrão estrutural, homogeneidade faciológica e aspecto estético, visando à possibilidade de seu aproveitamento como rochas ornamentais. Com o intuito de identificar as estruturas tectônicas, bem como caracterizar suas características litosféricas, serão executados perfis gravimétricos regionais. A previsão é de perfis longos e perpendiculares aos terrenos Alto Moxotó e Rio Capibaribe e, desses dois, outros perfis, cortando o Lineamento Pernambuco e o Terreno Pernambuco-Alagoas. Ênfase será dada também aos corpos granitoides, visando a elementos radioativos.

    Nos intervalos dos trabalhos de campo serão desenvolvidas atividades de escritório com revisões da interpretação fotogeológica e imagens de satélites, incorporação dos dados de campo e laboratoriais, bem como atualização da carta geológica e de recursos minerais em meio digital. Haverá alimentação sistemática do banco de dados do projeto.


  5. Estudos laboratoriais:
  6. Estão previstas cerca de 100 lâminas delgadas para análises petrográficas, com respectivas análises litoquímicas visando a interpretações petrogenéticas e metalogenéticas. Serão executadas algumas análises de química mineral, para elementos Terras Raras e datações geocronológicas nos corpos graníticos.



Resultados Esperados

Disponibilizar em meio digital (GIS) e analógico (texto e mapas) o relatório do Projeto Garanhuns com indicações de áreas mais favoráveis para exploração de minerais industriais, como material de construção e granitos para fins ornamentais; bem como, de acordo com os resultados do reconhecimento geoquímico, revelar o potencial metalogenético da área. E, ainda, através desses mapas, sugerir ao gestor público o seu uso como instrumento importante para políticas administrativas no manejo do meio físico. A equipe do Projeto Garanhuns espera, enfim, que tenha contribuído com este trabalho para a sociedade local na geração de emprego e renda.

© Copyright CPRM 2016. Todos os direitos reservados.