Sexta-feira, 26 de março de 2021

Mulheres nas Geociências: geóloga Lúcia Travassos se destaca por dedicação ao SGB-CPRM

Geóloga há 30 anos, a profissional é um dos grandes nomes com importantes contribuições na história da empresa, onde trabalha desde 1996. Nascida em Capanema, no interior do Pará, Lúcia Travassos teve os primeiros contatos com a geologia ainda criança, mesmo sem saber. Na região em que cresceu, minas de calcário eram exploradas para a fabricação de cimento. O tempo passou e a geologia, então, transformou a sua vida. Ao completar 30 anos de formação como geóloga em 2021, Travassos é hoje um dos grandes nomes que representam a imagem de dedicação profissional ao Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM), onde trabalha desde 1996, sendo o seu primeiro e único emprego formal. Lúcia também foi aprovada em um concurso da PETROBRAS quando trilhava seus primeiros passos na empresa, no entanto optou por permanecer no SGB/CPRM.

“Vivi uma infância típica de interior, com muita liberdade, brincadeiras, molecagens e contato direto com a natureza. Tenho certeza que essa fase da vida moldou muito da minha personalidade e me mantenho atenta para nunca perder a conexão com aquela menina do interior”, relembra Lucia Travassos, que é chefe do Departamento de Geologia da Diretoria de Geologia e Recursos Minerais (DGM) do SGB/CPRM.

Em sua cidade natal, a paraense estudou até a oitava série do ensino fundamental, concluindo o ensino médio em Belém. Ela conta que ter acesso a boas escolas fez a diferença em sua vida, o que não é a realidade da maioria. Formada em geologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA), em 1991, Lúcia ingressou na antiga CPRM, na fase de transição para Serviço Geológico do Brasil, em 1996.

“Era um momento bastante difícil na empresa, com recursos muito limitados para projetos, salários também limitados, e, além de uma crise econômica, acho que vivíamos também uma espécie de crise de identidade. Eu me envolvi muito rápido com as pessoas, com os projetos. A recepção e a acolhida que recebi dos colegas também foram importantes para logo me sentir ‘em casa’ e parte integrante do todo”, contou Travassos.

Entre as suas maiores conquistas, a geóloga destaca a capacidade de conciliar a vida pessoal com a profissional. Lúcia se diz realizada por fazer o que gosta, vivendo experiências incríveis, além de ter criado laços de afeto com pessoas que se tornaram importantes na sua rotina. Ela conta que os desafios foram grandes para se destacar na profissão, mas reitera que nunca pensou em desistir.

“Na minha colação de grau em geologia, aos 22 anos, eu estava grávida da minha filha Luna. Assim iniciei o mestrado e escrevi minha dissertação com uma bebê nos braços. Quando entrei na CPRM, em 1996, Luna havia completado quatro anos e eu já tinha o meu segundo filho, Gabriel, àquela altura com nove meses. Não me considero nenhuma espécie de heroína por isso, pois a minha situação era muito privilegiada, diante da realidade que tantas outras mulheres enfrentam na corrida profissional. Se tiver que elencar o meu maior desafio profissional, eu diria que foi o de ficar longe dos meus filhos em muitas ocasiões, quando eles ainda eram pequenos, carregando a culpa bem típica das mães, e ainda assim acreditar que estava fazendo a coisa certa”, destacou Lúcia Travassos referindo-se às longas jornadas de campo em lugares remotos da Amazônia que participou durante sua carreira.

Lúcia Travassos durante o mapeamento geológico da área da Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA), no sudoeste do Amapá, em campanha de helicóptero, no ano de 2001 Trabalhando desde o começo de sua trajetória na empresa com mapeamento geológico, e mais recentemente como gestora, Lúcia Travassos teve momentos de grande destaque em sua história.

“O primeiro deles foi quando comecei a trabalhar no Projeto da Reserva Nacional de Cobre e Associados (RENCA), no início dos anos 2000, quando entendi de fato o que significava trabalhar com mapeamento geológico em áreas ínvias da Amazônia. Foi ali que eu senti que era capaz de fazer aquilo, e ainda me sentindo segura e inteiramente à vontade em um meio dominantemente masculino”, lembrou.

Outro marco que a pesquisadora destaca foi o momento em que foi escolhida para ser a presidente do 45º Congresso Brasileiro de Geologia, em 2010, algo que considera “um divisor de águas na carreira”. “Naquele momento, aceitei um desafio que parecia grande demais para mim, mas que me trouxe uma conexão direta com o cenário da geologia no Brasil. Ampliou muito as minhas relações profissionais e me trouxe também a consciência de que podemos realizar muito com trabalho, dedicação e tendo as pessoas certas ao nosso lado compartilhando o mesmo propósito”, disse.


Lúcia Travassos durante a cerimônia de encerramento do 45º Congresso Brasileiro de Geologia, em Belém. Outro momento destacado por Lúcia aconteceu em 2018, quando foi escolhida como personalidade do ano pela revista Brasil Mineral na categoria “Exploração Mineral”. A honraria se deu em virtude do trabalho publicado em 2017 sobre a área da RENCA.

Lúcia Travassos durante a premiação promovida pela Revista Brasil Mineral. Lúcia Travassos encerra com uma mensagem a todas as mulheres que sonham seguir carreira em áreas das geociências. Neste sentido, a profissional ressalta a importância de não aceitarem rótulos pré-estabelecidos.

“Eu diria para tomarem consciência e acreditarem em suas potencialidades, para não aceitarem rótulos impostos, para não alimentarem seus medos e inseguranças, porque eles existem, mas não podemos deixá-los serem maiores que o sonho e a vontade de fazer. Que se comprometam com tudo o que fizerem, em cada etapa da trajetória, pois todo trabalho é importante e reflete nosso perfil profissional. E ainda que fiquem atentas às oportunidades de crescimento pessoal, que em geral vêm junto com as oportunidades profissionais”, completou Lúcia Travassos.

Conheça os principais projetos que a geóloga participou no SGB-CPRM

- Programa Nacional de Prospecção do Ouro (http://rigeo.cprm.gov.br)
- Projeto Província Mineral da RENCA (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/16977)
- Projeto Geologia e Recursos Minerais do Pará (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/10443)
- Projeto Geologia e Recursos Minerais da Folha Cândido mendes (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/10517)
- Projeto Geologia e Recursos Minerais da Folha Rio Araguari (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/20623)
- Projeto Geologia e Recursos Minerais da Folha Lourenço (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/20409)
- Projeto Geologia e Recursos Minerais da Folha Trombetas http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/20409)
- Projeto Metalogênese das Províncias Tectônicas Brasileiras (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/19389)
- Projeto ARIM RENCA (http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/handle/doc/18967)

Renan Adnet
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil
renan.conceicao@cprm.gov.br
asscom@cprm.gov.br
  • Imprimir