Sexta-feira, 12 de julho de 2019

Serviço Geológico do Brasil promove Workshop sobre Mapeamento de Perigo

 Gabriel Facuri, pesquisador em Geociências, durante apresentaçãodo estudo desenvolvido no mestrado
Com o objetivo principal de aprimorar a metodologia desenvolvida no Manual de Mapeamento de Perigo e Risco a Movimentos Gravitacionais de Massa, além de promover maior interação com as universidades, o Departamento de Gestão Territorial do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) realizou o primeiro Workshop de Perigo no Escritório do Rio de Janeiro, em 17/6 deste ano.

A CPRM convidou o pesquisador em Geociências Gabriel Facuri, lotado na Superintendência Regional de São Paulo, para apresentar a dissertação de mestrado “Avaliações e Propostas para o Método de Mapeamento de Perigo a Fluxo de Detritos do Projeto GIDES”. A geóloga pela Universidade Federal do Rio de Janeiro Samara Cordeiro também foi convidada para expor o trabalho de conclusão de curso “Avaliação da Eficiência Preditiva do Alcance de Blocos de Rocha em Encostas Instáveis Segundo Método de Perigo do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM).

As apresentações foram transmitidas para as unidades regionais. Participaram do debate os pesquisadores em Geociências Thiago Dutra, Rafael Silva Ribeiro, Victor Hilquias, Julio Lana e Jorge Pimentel.
Facuri desenvolveu o mestrado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), sendo orientado pelo professor do Instituto de Geociências, Jefferson Picanço. O estudo “foca nos fluxos de detritos que atingiram a bacia do rio Jacareí e os usa para testar a nova técnica de mapeamento de perigo proposta pelo Projeto GIDES. A intenção foi verificar se há concordância entre o que é previsto pelo mapa e a realidade vista em 2011”.

Visando aprofundar mais na temática e trazer para o Brasil novas propostas metodológicas, Gabriel realizou um intercâmbio de quatro meses na Universidade de Bologna, na Itália, onde adquiriu experiências em processos que ainda não são tratados aqui e, com isso, pôde adaptar algumas das técnicas desenvolvidas para a realidade brasileira.
Samara Cordeiro produziu seu estudo sobre o grande número de ocorrências de quedas de blocos rochosos na cidade do Rio de Janeiro e municípios da região serrana, sob orientação de Emilio Velloso Barroso e Raquel Batista Medeiros.

“Foram realizados no total 1.944 simulações variando a velocidade angular, domínio litológico do maciço rochoso e altura do talude, dividindo-se em três grupos de acordo com o ângulo de inclinação da encosta e a presença do elemento geomorfológico. Desse total, 1.731 simulações foram atendidas pelo critério da CPRM, segundo o limite do alcance máximo. Portanto, 89,04% dos alcances são considerados como medida da eficiência da previsão. Pelos resultados obtidos, notam-se que as encostas mais altas conferem aos blocos maior energia potencial do que as encostas mais baixas, ou seja, atingem maiores distâncias”.

 Samara Cordeiro apresentando seu trabalho de conclusão aos presentes
Ambas as apresentações tiveram como finalidade apresentar aos participantes o que tem sido desenvolvido na área acadêmica, a partir da metodologia de Perigo, no âmbito do Projeto GIDES, proporcionando assim novas formas de se pensar e analisar as áreas sujeitas a desastres naturais.

O Serviço Geológico do Brasil já realizou mapeamento de perigo em cinco municípios do Estado de Santa Catarina, entre eles Braço do Norte, Guaramirim, Herval d’Oeste, Rio do Sul e Santo Amaro da Imperatriz. Estes produtos cartográficos orientam os gestores públicos sobre os vetores de crescimento e ocupação em áreas seguras, fomentando a prevenção e a preservação da vida da população e dos bens materiais.

Confira o Manual de Mapeamento de Perigo e Risco a Movimentos Gravitacionais de Massa, clique aqui!

Gabriella Arraes
Pedro Henrique Santos
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
gabriella.arraes@cprm.gov.br
pedro.pereira@cprm.gov.br
(21) 2295-4641
  • Imprimir

© Copyright CPRM 2016-2019. Todos os direitos reservados.