Materiais de Construção na Área Manacapuru-Iranduba-Manaus-Careiro - AM

Objetivo e Justificativas

O objetivo do projeto é realizar o diagnóstico da situação atual da exploração, produção, níveis de oferta e demanda de minerais industriais (construção civil e cerâmica vermelha) no âmbito das regiões de Manacapuru, Iranduba, Manaus e Careiro no estado do Amazonas. O crescente índice demográfico ocorrido nos últimos anos nas sedes municipais de Manacapuru, Iranduba e Manaus vem exigindo informações atualizadas no que diz respeito às áreas de ocorrência de bens minerais que possam constituir fontes de matéria-prima à aplicação na construção civil, tais como argila, areia e cascalho. A necessidade desses materiais, principalmente a argila, é constatada por meio da existência de aproximadamente 40 olarias no trecho entre Manacapuru e Iranduba, as quais vêm produzindo tijolos e telhas aquém da demanda de mercado. Na área em foco objetiva-se aprimorar o conhecimento quanto à distribuição das principais unidades sedimentares que constituem os ambientes geológicos para os referidos bens minerais. Os estudos deverão se concentrar na Formação Alter do Chão (cretáceo superior) e principalmente em áreas de ocorrência dos sedimentos paleo a neogênicos (tércio-quaternários e holocênicos), que ocorrem em amplas faixas nas bacias dos rios Solimões e Amazonas.


Localização e Acesso

A área do projeto engloba parte dos municípios de Manacapuru, Iranduba, Manaus e Careiro, localizada entre os paralelos 3º00'00" e 3º30'00" S e meridianos 59º30'00" e 61º00'00" W, abrangendo parte das folhas SA-20-Z-D (Manaus) e SA-21-Y-C (Nova Olinda do Norte), cuja superfície corresponde ao corte cartográfico correspondente a uma folha na escala de 1:250.000. O acesso aos municípios se faz principalmente por via fluvial através dos rios Negro, Solimões e Médio Amazonas, tomando-se em terra trechos de rodovias federais (BR-319 - Manaus - Porto Velho) e estaduais (Cacau-Pirêra - Manacapuru - Novo Airão e Careiro - Manaquiri).


Geologia Regional

Cinco principais unidades sedimentares são verificadas na área em estudo (Reis & Figueiredo, 1983). Os depósitos minerais do neogeno são representados por três tipos de idade holocênica: os depósitos sedimentares aluvionares, que acompanham a maior parte das principais redes de drenagem e ilhas, sendo comum a presença de lagos do tipo "diques" no interior da unidade (areias silte-argilosas, argilitos variegados e siltitos); as planícies aluviais, via de regra, inundáveis (siltitos, argilitos e arenitos inconsolidados); e os terraços de erosão, onde se desenvolve larga drenagem com padrão dendrítica a subdendrítica (siltitos, argilitos e arenitos inconsolidados). Depósitos minerais de idade indiferenciada ao paleo-neogeno (pleistoceno) correspondem a argilitos e subordinados siltitos e arenitos, cuja área de ocorrência desenvolve uma morfologia plana e com desenvolvimento de um padrão de drenagem (algo) retilíneo e com pouca sinuosidade, capacitada à observação de alinhamentos morfoestruturais. Esta unidade sedimentar é correspondida indiscriminadamente às formações Içá e Solimões. De grande distribuição e correspondendo à mais elevada superfície topográfica, afloram arenitos e argilitos relacionados à Formação Alter do Chão (cretáceo superior), cujo relevo é moderadamente ondulado e cuja drenagem revela padrão dendrítico a sub-retangular, característicos de uma área em franca dissecação. Perfis lateríticos com formação de cascalheiras, caulinita e depósitos de areias residuais se desenvolvem sobre a unidade. A Formação Alter do Chão recobre parcialmente todas as unidades paleozoicas pós-silurianas da Bacia do Amazonas e sua idade cretácea superior tem sido atribuída por meio de estudos palinológicos, embora alguns autores refiram-se a uma idade paleogênica, por incluírem inadvertidamente camadas ricas em fósseis cenozoicos ocorrentes em outras regiões da Amazônia, as quais certamente pertencem a unidades mais recentes (Caputo et al. 1971).


Aspecto do forno do tipo Utilizado no Pólo Oleiro do Distrito de Cacau-Pirêra-Ariaú (município de iranduba - AM)



Resultados Esperados

Relatórios que permitam:

  • fornecer subsídios às entidades governamentais ao planejamento de uma política de exploração de minerais industriais em áreas urbanas e regiões circunvizinhas;
  • promover o uso sustentável e a exploração racional dos recursos minerais industriais;
  • estimular o desenvolvimento de técnicas de lavra/beneficiamento adequadas bem como a racionalização do transporte e abastecimento;
  • favorecer a descoberta de novas áreas e de matérias-primas alternativas;
  • Diagnosticar os possíveis impactos ambientais, com a indicação de medidas mitigadoras de controle e recuperação do meio ambiente.



Referências Bibliográficas

Albuquerque O.R. 1922. Reconhecimentos geológicos no vale do Amazonas. Boletim do Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil, 3, 84 p.

Araújo R. L. C.; Carvalho J. S., Fernandes Filho L. A. 1991. Condutividade térmica em solos argilosos na região de Manaus. In: SBG, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 3, Belém. Anais: 350 - 360.

Azevedo Júnior C. A., Carvalho J. S. 2003. Levantamento magnetométrico terrestre de semidetalhamento do Município de Iranduba e parte do Município de Manacapuru. In: Congr. Iniciação Científica da Universidade Federal do Amazonas, 12, Manaus, Anais: 68.

Barbosa O. 1967. Tectônica na Bacia Amazônica. In: SBG, UNESP, Simpósio Sobre a Biota Amazônica, 1, Manaus. Ata: 83 - 86 Bemerguy R.L. 1997. Morfotectônica e evolução paleogeográfica da região da calha do Rio Amazonas. Belém, 200p. Tese (Doutorado em Geologia e Geoquímica) - Centro de Geociências da Universidade Federal do Pará.

Bemerguy R.L., Costa J.B.S. 1991. Controle tectônico na evolução do sistema de drenagem da Amazônia. In: SBG, Simpósio Nacional de Estudos Tectônicos, 3, Rio Claro. Anais 1: 103 - 104.

Bemerguy R.L., Costa J.B.S., Hasui Y., Borges M.S. 1999. O compartimento morfotectônico Manaus - Nhamundá: sistemas de relevo, drenagem e os elementos estruturais da neotectônica. In: SBG - Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 6, Manaus, Anais 1: 326-329.

Bemerguy R.L., Costa, J.B.S, Hasui, Y., Borges, M.S., Soares Jr., A.V. 2002. Structural geomorphology of the Brazilian Amazon region. In: KLEIN, E.L., VASQUEZ, M.L., ROSA.

COSTA, L.T.(ed.). Contribuição à Geologia da Amazônia, Belém, SBG: Núcleo Norte, v.3, p. 245 - 257.

Bemerguy R.L., Costa, J.B.S., Hasui, Y., Borges, M.S., Soares Jr., A.V. 2001. Tectonic Geomorphology of the Amazon, Brasil. In: SGB, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 7, Belém, Anais: 17-18.

Bezerra, P.E.L., Lima, M.I.C., Coelho, F.A.J.F. 1999. Estruturação Neotectônica da Folha SA.20- Manaus. In: SBG, Núcleo Norte, Simp.Geol. Amaz., 6, Manaus. Anais: 288 - 291.

Brito M.A.G., Coutinho, G.K., Cruz, Z.O., Magalhães, R., Franzinelli, E. 1994. Contribuição à sedimentologia das praias do baixo rio Negro/AM. In: SBG, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 4, Belém. Anais: 188 -203.

Caputo, M. V., Rodrigues, R., Vasconcelos, D.N.N. 1972. Nomenclatura Estratigráfica da Bacia do Rio Amazonas. In: Cong. Bras. Geol., 26, Belém. Anais 3: 35 - 46.

Carvalho J. S, Araújo R. L. C.; Silva Jr. J. B. C.; Conceição D. A.; Carvalho P. S. S., Silva R. M. 2003. Medidas comparativas de resistividade elétrica sobre materiais litológicos sedimentares semelhantes da região de Manaus, Iranduba e Presidente Figueiredo - AM. In: SBG, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 8, Resumos Expandidos, CD-Rom.

Carvalho J. S., Azevedo Jr. C. A., Silva Jr. J. B. C., Araújo R. L. C., Conceição D. A., Silva R. M. 2003. Cartografia magnética do Município de Iranduba (AM): Resultados preliminares. In: SBG, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 8, Manaus. Resumos Expandidos, CD-Rom.

Carvalho J. S., Silva C. A., Castro L. A., Araújo R. L. C. 2000. Caracterização radiométrica de materiais litológicos de emprego direto na construção civil em Manaus - Resultados preliminares. In: Mostra da Produção Técnico Científica da Universidade do Amazonas (Resumos), 2, Universidade do Amazonas, Manaus, Anais: 51.

Costa, J.B.S. 1996. A neotectônica na Amazônia. In: SBG/NO, Simp. Geol. Amaz., 5, Belém. Anais 1: 35 - 38 Costa, J.B.S., Bemerguy, R.L., Hasui, Y., Borges, M.S. 2001. Tectonics and Paleogeography along the Amazon river. Journal of South America Earth Sciences, v. 14, 335-47, 2001.

Daemon R.F. 1975. Contribuição à datação da Formação Alter do Chão, Bacia do Amazonas. Revista Brasileira de Geociências, 5 (2): 58 - 84.

Damião R.N., Souza, M.M., Medeiros, M.F. 1972. Projeto Argila Manaus. Convênio CPRM/DNPM. Manaus, Relatório Inédito [ s. ident.].

Dino R., Silva, O.B., Abrahão, D. 1999. Caracterização palinológica e estratigráfica de estratos cretáceos da Formação Alter do Chão, Bacia do Amazonas. In: SBG, UNESP, Simpósio sobre o Cretáceo do Brasil, 5, Rio Claro. Boletim: 557 - 565.

Fernandes Filho, L.A., Costa, M.L., Costa, J.B.S. 1997. Registros neotectônicos nos lateritos de Manaus - Amazonas. Geociências, 16 (1): 9 - 33.

Franzinelli, E., Igreja, H.L.S. 1990. Utilização do sensoriamento remoto na investigação da área do Baixo Rio Negro e Grande Manaus. In: SBG, Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto.

Franzinelli, E., Ori, G.G. 1987. Quaternary sedimentation in the lower Negro river, Amazonas, Brazil. In: Quaternary International Congress, 3, Otawa. Abstracts: 168.

Franzinelli, E., Potter, P.E. 1985. Areias recentes dos rios da Bacia Amazônica: composições petrográfica, textural e química. Revista Brasileira de Geociências, 15 (3): 213 - 220.

Gouvêa P.H.V. 2001. A Exploração de Minerais Aplicados à Construção Civil na Região Metropolitana de Manaus e Alguns Aspectos Ambientais. Centro de Estudos Superiores para a Exploração de Minas e Pedreiras à Céu Aberto. CESECO, 68 p.

Hasui, Y. 1990. Neotectônica e aspectos da tectônica ressurgente no Brasil. In: Work-Shop sobre Neotectônica e Sedimentação Cenozóica no Sudeste do Brasil, 1, Belo Horizonte, Anais: 1 - 31.

Horbe, A.M.C., Horbe, M.A., Suguio, K. Laranjeira, R.B. 2001. Contribuição ao estudo das ocorrências de podzóis no noroeste do Amazonas. In: SBG, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 7, Belém. Anais, 1: 70 - 74.

Igreja, H.L.S., Franzinelli, E. 1990. Estudos neotectônicos na região do baixo rio Negro - centro- nordeste do Estado do Amazonas. In: Cong. Bras. Geol., 36, Natal. Anais, 5: 2099 - 2108.

Lourenço, R.S., Montalvão, R.M.G., Pinheiro, S. da S., Fernandes, P.E.C.A., Pereira, E.R., Fernandes, C.A.C., Teixeira, W. 1978. In: BRASIL. Projeto RADAM. Geologia da Folha SA.20- Manaus. Rio de Janeiro, DNPM, Geologia, Levantamento de Recursos Naturais.

Nogueira, A.C.R., Vieira, L.C., Suguio, K. 1999. Paleossolos da Formação Alter do Chão, Cretáceo.

Terciário da Bacia do Amazonas, regiões de Presidente Figueiredo e Manaus. In: SBG, Simpósio sobre o Cretáceo do Brasil, 5, Rio Claro. Boletim: 261- 266.

Pinto C. A. S., Carvalho J. S., Guimarães I. O., Carvalho P. S. S., Araújo R. L. C. 2002. Caracterização geológica de corpos argilosos do Distrito Oleiro de Iranduba (AM), por meio de sondagens elétricas verticais. In: SBG, Cong. Bras. Geol., XLI, João Pessoa. Resumos: 364.

Reis N.J., Figueiredo, E.S. 1983. Projeto Turfa do Médio Amazonas. CPRM, Manaus, Amazonas.

Rodrigues A.F. da S., Goelltje G.R., Tavares E.P. 2000. Projeto Argila: Regularização e Levantamento Ambiental do Setor Oleiro nos Municípios de Iranduba e Manacapuru. Relatório Final. DNPM/MME, Manaus, 62 p., anexos, il.

Santos, J.O.S. 1974. Considerações sobre a bacia cenozóica do Solimões. In: Cong. Bras. Geol., 27, Porto Alegre. Anais, 1: 3 - 11.

Silva Jr. J. B. C., Carvalho J. S. 2003. Caracterização física e estratigráfica de sedimentos cenozóicos da região de Iranduba e Manacapuru, por meio de levantamentos geoelétricos. In: Congr. Iniciação Científica da Universidade Federal do Amazonas, 12, Manaus, Anais: 67 Silva.

Jr. J. B. C., Carvalho J. S., Araújo R. L. C., Silva R. M. 2003. Comportamento geoelétrico de sedimentos argilosos cenozóicos ocorrentes na região de Iranduba e Manacapuru, sudoeste de Manaus. In: SBGf , Congr. Intern. Soc. Bras. Geofísica, VIII, Rio de Janeiro. Anais.

Silva, C.L., Carvalho, J.S., Costa, S.S., Alecrim, J.D. 1994. Considerações sobre neotectonismo na cidade de Manaus (AM) e áreas adjacentes: uma discussão preliminar. In: Cong. Bras. Geol., 38, Camboriú . Anais, 2: 251-252.

Soares, E.A.A., Silva, C.L., Nogueira, A.C.R., Suguio, K., Barros, D.S., Santos, W.H.D. 2001. Os depósitos quaternários na confluência dos rios Negro e Solimões, municípios de Iranduba e Manacapuru, Amazonas. In: SBG, Núcleo Norte, Simp. Geol. Amaz., 7, Belém. Anais: 19 - 22.

Vieira, L.C. 1997. Análise faciológica da Formação Alter do Chão (Cretáceo-Terciário) na Região de Manaus - AM. In: Congresso Iniciação Científica, 9, São Carlos. Anais: 166.


Execução do Projeto

Superintendência Regional de Manaus

© Copyright CPRM 2016. Todos os direitos reservados.