Análise de Água

Estudo in Loco de Fontes Hidrominerais
Análises químicas, físicas e físico-químicas in loco, bem como laboratoriais, para atendimento ao DNPM quando na fase de aprovação de pesquisa. Legislação pertinente: Código de Águas Minerais.

O estudo in loco simples compreende a coleta de amostras, análises físico-químicas, químicas e bacteriológicas. O estudo in loco completo compreende a coleta de amostras, análises físico-químicas, químicas e bacteriológicas, incluindo as análises dos parâmetros da Tabela 1 da RDC 274/2005.

Confira os métodos de análise para estudo in loco.

Procedimentos para realização do estudo in loco, conforme solicitação oficial do DNPM:
  • O Distrito do DNPM solicita ao LAMIN/CPRM orçamento para a realização do estudo in loco, especificando a quantidade e o tipo de estudo in loco (simples ou completo).
  • O LAMIN/CPRM envia o orçamento para o distrito do DNPM solicitante.
  • Após a comprovação do pagamento efetuado pelo cliente e o envio da cópia legível do depósito bancário ao LAMIN/CPRM, o estudo in loco é agendado.
Titular:

CNPJ ou CPF:
Endereço:
CEP:
Município:
Estado:
Telefone de Contato:

Nº do Processo:


Os resultados do estudo in loco são emitidos através de boletins pelo LAMIN/CPRM e encaminhados ao Distrito do DNPM correspondente. Após o DNPM local verificar todo o processo, ele os envia ao DNPM de Brasília para novas verificações, inclusive das pendências existentes no processo, e então faz a classificação da água mineral.

Saiba quais são as informações necessárias sobre as condições técnicas para a análise in loco.

Para saber se a água é mineral, recomendamos uma análise prévia no LAMIN.


Análises Químicas e Bacteriológicas para Clientes Particulares
* POR MOTIVOS OPERACIONAIS, O LAMIN-RJ E O LAMIN-SP NÃO ESTÃO RECEBENDO NO MOMENTO AMOSTRAS PARA ANÁLISES QUÍMICAS E BACTERIOLÓGICAS DE CLIENTES PARTICULARES.

Parâmetros, Limites de Quantificação do LAMIN (LQ), Valores Máximos Permitidos (VMP) pelas legislações aplicáveis (RDC 274 e 2914/2011/MS), métodos utilizados e composição de serviços.

Confira os métodos de análise para clientes particulares.


Análises Químicas:
  • Análise Química (Análise Particular ou Prévia)
    Determinação de parâmetros químicos e físico-químicos que determinarão a potabilidade e a composição química provável das águas provenientes de surgências naturais ou artificialmente captadas (poços), visando à classificação conforme o Código de Águas Minerais vigente. Atende a cliente particular com interesse na comercialização. Legislações pertinentes: RDC 274/2005 e Código de Águas Minerais.

  • Análise Especificada
    Especificação de parâmetros químicos ou físico-químicos a serem analisados, conforme solicitação do cliente. Atende a cliente particular, DNPM, convênios e projetos.

Instruções para solicitação das análises químicas:


Análises Bacteriológicas:
  • Análise Bacteriológica Simples
    Coliformes totais, coliformes fecais e contagem de bactérias heterotróficas em UFC/ml. Atende a cliente particular, projetos e convênios.

  • Análise Bacteriológica Completa
    Coliformes totais, coliformes fecais, estreptococus fecais, clostrídios sulfitos redutores, pseudonomas aeruginosas e contagem de bactérias heterotróficas em UFC/ml. Atende a cliente particular, DNPM (estudo in loco), projetos e convênios.

Instruções para solicitação de análises bacteriológicas:

De acordo com o resultado da análise e se houver interesse em exploração comercial, o procedimento seguinte é contatar o DNPM local.

Para informações sobre procedimentos para captação e engarrafamento recomendamos procurar o site do DNPM, onde está disponível a legislação vigente.


Atendimento à Portaria 159 de 01/04/1996
Análises químicas, físico-químicas e bacteriológicas das águas minerais de procedência estrangeira, conforme determina a legislação em vigor (Código de Águas Minerais, Capítulo IV, Artigo 33). Atende ao cliente importador para regulamentação da(s) água(s) estrangeira(s) junto ao DNPM e à Vigilância Sanitária do estado.

As análises químicas e físico-químicas são realizadas unicamente quando é a primeira importação da marca. Depois que a importação é autorizada, são realizadas apenas análises bacteriológicas a cada importação.

Documentos a serem enviados ao LAMIN pelo importador:
  • Carta com papel timbrado do importador, relacionando as amostras enviadas (tipo de envase, número de garrafas, número de lote etc).Nota Importante: Por definição, uma amostra é constituída por produtos da mesma marca, com o mesmo tipo de envase e do mesmo lote.
  • FEAA (quando for a primeira importação) e FEAB preenchidas para cada amostra.
  • Cópia da GRU e comprovante de pagamento.


Sistema de Gestão pela Qualidade
O LAMIN-RJ possui um Sistema de Gestão pela Qualidade baseado na norma ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 e está acreditado pela Coordenação Geral de Acreditação - CGCRE (INMETRO) para seis ensaios químicos e amostragem. O escopo de acreditação do LAMIN-RJ (matriz, parâmetros, limites de quantificação e metodologias utilizadas) pode ser visualizado no link abaixo:
http://www.inmetro.gov.br/laboratorios/rble/docs/CRL0465.pdf

© Copyright CPRM 2016. Todos os direitos reservados.