Quinta-feira, 23 de junho de 2022

Dia Internacional das Mulheres na Engenharia: entenda a importância de celebrar a presença feminina na profissão

A data visa ampliar e fortalecer a presença feminina na Engenharia; de acordo com dados do Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura, o percentual de mulheres registradas como engenheiras no Brasil cresce a cada ano

Myrla durante pesquisa em campo (imagem: arquivo pessoal) Lutar pelo reconhecimento feminino na Engenharia e fortalecer sua presença em uma profissão historicamente dominada por homens são alguns dos motivos pelos quais, nesta quinta-feira (23), é celebrado o “Dia Internacional das Mulheres na Engenharia”. A data, instituída em 2014 pela Women’s Engineering Society (WES) - sociedade britânica de mulheres engenheiras -, ganhou projeção global em 2017. O tema do evento deste ano é “Inventoras e Inovadoras” e tem o objetivo de apresentar “as mais brilhantes e mais corajosas mulheres da engenharia, que ousam fazer parte da solução e estão ajudando a construir um futuro melhor”, segundo a organização internacional.

A engenheira hidróloga e coordenadora executiva do Departamento de Hidrologia do Serviço Geológico do Brasil (DEHID/SGB-CPRM), Myrla Vieira, já sofreu na pele discriminações durante a sua trajetória profissional, e reconhece a importância da data para fortalecer o debate sobre equidade de gênero e para combater as discriminações inerentes à profissão .

“É muito difícil ser engenheira em um ambiente tão masculino, é um desafio diário. Por isso, sempre digo que ao optar pela carreira tenha certeza de que você ama mesmo a profissão porque existe, sim, ainda bastante discriminação”, afirmou Myrla ao relembrar alguns episódios constrangedores que já sofreu apenas pelo fato de ser mulher. “Já fui rejeitada para uma vaga de Iniciação Científica porque o professor responsável pela seleção disse que não trabalhava com mulher, mesmo sabendo que eu tinha todas as qualificações necessárias e a melhor nota para ocupar a vaga”, garantiu.

Apesar disso, a coordenadora do DEHID vê com bons olhos a ampliação do debate e reconhece que a mulher vem conquistando mais espaço em profissões antes tidas como majoritariamente masculinas. “Quando me formei, em 2003, era a única engenheira da turma, hoje, o cenário é outro graças à mudança de comportamento da sociedade e também à capacidade que a mulher tem de provar que é tão, ou mais, preparada do que o homem em várias áreas profissionais, inclusive nas Engenharias. Atualmente, temos visto muito mais mulheres se formando, buscando profissões na área; é uma grande evolução, e eu me sinto extremamente honrada e valorizada por isso. Ter uma data que celebra mulheres na Engenharia é mais do que uma homenagem, é um atestado das nossas conquistas e competência profissional”, complementou.

Cresce a participação feminina nas Engenharias
De acordo com dados deste ano (2022) do Conselho Federal de Engenharia e Arquitetura (Confea), o percentual de mulheres registradas como engenheiras no Brasil corresponde a 19,3,% - 199.786 mulheres engenheiras -, do total de 1.035.103 de profissionais da área, no Brasil. Porém, esse é um percentual que está em crescimento a cada ano, em 2018, eram 18%. Já nos cursos superiores de Engenharia, é cada vez maior o número de mulheres.

Amanda Rosa
Assessoria de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil - CPRM
Ministério de Minas e Energia
imprensa@cprm.gov.br
  • Imprimir