Dia do Bibliotecário: conheça o trabalho do profissional que vai além das estantes de livros no SGB

Sexta-feira, 10 de março de 2023

Dia do Bibliotecário: conheça o trabalho do profissional que vai além das estantes de livros no SGB

Celebrado em 12 de março, a data é um reconhecimento ao trabalho de quem opera nos bastidores fornecendo serviços informacionais de qualidade à sociedade


Disseminar informações e mediar a aprendizagem para o progresso cultural do País são apenas alguns dos papéis desempenhados pelo profissional graduado em Biblioteconomia que, neste domingo (12), recebem homenagem especial. Instituído pelo Decreto nº 84.631, de 1980, o Dia do Bibliotecário tem como objetivo enaltecer os profissionais que espalham a informação e o conhecimento, buscando promover um Brasil com mais desenvolvimento cultural, científico e social.

A profissão, regulamentada pela Lei 4.084, de 1962, possui inúmeras frentes de atuação, como explica a coordenadora da Rede Ametista de Bibliotecas do Serviço Geológico do Brasil, Roberta Silva. “O bibliotecário é responsável por democratizar a informação, isso inclui organizar, catalogar e classificar acervos em bibliotecas, museus e centros de informação. Sendo o SGB uma instituição pública de referência em informação geocientífica, isso é muito importante, pois, além do suporte aos empregados, disponibilizamos os nossos serviços para toda a sociedade”.

Há 16 anos atuando no SGB, Roberta revela que as mudanças tecnológicas tiveram impacto na profissão, possibilitando ampliar e democratizar o acesso à informação. Segundo ela, os conteúdos digitais e eletrônicos farão cada vez mais parte do cotidiano das bibliotecas, sendo necessárias ações específicas como preservação digital, curadoria digital, gestão de metadados, gestão de dados e criação de novos serviços alinhados às necessidades da sociedade. Neste sentido, Roberta revela que a pandemia da Covid-19 acelerou ainda mais um processo que, gradativamente, já vinha sendo implementado na instituição.

“Fomos obrigados a nos reinventar. O SGB já vinha se aprimorando e seguindo a tendência tecnológica, a Biblioteca já estava inserida no formato híbrido. Entretanto, com a pandemia, intensificamos as reuniões virtuais, aumentamos a nossa produção, formamos grupos de trabalho temáticos e fomos desenvolvendo vários produtos novos para não deixar de atender o público. Foi um grande desafio, que vem sido superado todos os dias”, avalia.

Coordenadora da Rede Ametista de Bibliotecas do Serviço Geológico do Brasil, Roberta Silva Atualmente, Roberta coordena - além da biblioteca central no Rio de Janeiro - as 12 unidades regionais da Rede Ametista, localizadas em Belém, Belo Horizonte, Brasília (DF), Fortaleza (CE), Goiânia (GO), Manaus (AM), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Recife (PE), Salvador (BA), São Paulo (SP) e Teresina (PI). Assim como ela, outros bibliotecários atuam nas unidades, propiciando ao empregado condições para acesso e uso da informação para a construção do conhecimento.

Ao longo do mês de março, acompanhe as histórias de Nelma Botelho, Maria Gasparina de Lima, Cláudia Lopes, Ana Lúcia Coelho, Ana Paula Silva, Priscila Ururahy, Jean Martins, Gabriela Leitão, Isabel Matos,Maria Madalena Costa Ferreira, Roberta Silva, Teresa Rosenhayme, Francisca Giovania do Nascimento e Sonja Pinheiro.

Saiba mais sobre a Rede Ametista de Bibliotecas.

Priscilla Klein
Núcleo de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil
Ministério de Minas e Energia
Governo Federal
imprensa@sgb.gov.br
  • Imprimir