Terça-feira, 14 de setembro de 2021

SGB-CPRM divulga atualização da vazante do rio Paraguai



O Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM) divulgou, nesta segunda-feira (13), uma atualização da condição da seca na bacia do rio Paraguai, onde está situado o bioma do Pantanal. O processo de vazante segue evoluindo continuamente neste período e, nessas últimas semanas, praticamente não foram registradas chuvas na região, comportamento esperado para esse período do ano. Apenas algumas chuvas pontuais foram registradas no lado paraguaio da bacia.

Segundo o pesquisador do SGB-CPRM, Marcus Suassuna, o nível do rio Paraguai está próximo da cota “0” em Ladário (MS), dado que o ritmo de descida vem sendo de dois a três centímetros por dia. Nesta segunda-feira, dia 13/09, o rio registra 6cm negativos. Marcus ainda relembra que, apesar do que se pareça, a cota “0” não quer dizer que o rio secou, mantendo assim uma certa lâmina de água e vazão.

Em Cáceres (MT), o rio atingiu nos últimos dias a cota de 36cm, abaixo da cota de cerca de 46cm, observada em outubro do ano passado. Nas próximas semanas não há previsão de chuvas significativas, fazendo com que a previsão ainda seja de persistência da vazante. No sábado, 11 de setembro, o rio atingiu a mínima de toda a série ao registrar 32 cm em Cáceres. Vale lembrar que, nesse período do ano, a velocidade de descida do rio Paraguai diminui, então a tendência é que essa descida de dois centímetros por dia não continue. Em Porto Murtinho, o nível atingido foi de cerca de 1,20 m.

Suassuna destacou ainda que o monitoramento desenvolvido pelo SGB-CPRM é de extrema importância para diversos setores da sociedade. Por exemplo, as companhias de saneamento, que utilizam bombas para captar águas do rio Paraguai, produtores agrícolas, que dependem do transporte fluvial nesse período do ano, etc. Além disso, há também o impacto fora do país, como por exemplo a Bolívia, que depende da hidrovia do Paraná-Paraguai para escoar sua produção agrícola e mineral, com ambas registrando níveis muito baixos neste ano, restringindo a navegação.

O SGB-CPRM segue acompanhando de perto a evolução da seca na região. Você pode acompanhar os prognósticos, boletins de monitoramento e todas as informações em: www.cprm.gov.br

Renan Adnet
Assessoria de Comunicação

Serviço Geológico do Brasil

renan.conceicao@cprm.gov.br

asscom@cprm.gov.br
  • Imprimir