Serviço Geológico do Brasil apresenta o projeto Reavaliação do Patrimônio Mineral na costa sergipana

Quinta-feira, 03 de agosto de 2023

Serviço Geológico do Brasil apresenta o projeto Reavaliação do Patrimônio Mineral na costa sergipana

Objetivo é disponibilizar dados reavaliados dos depósitos de turfa através de técnicas atuais de modelagem geológica 3D e estimativa de recursos




Com o objetivo de disponibilizar dados reavaliados, sob a ótica das técnicas atuais de modelagem geológica 3D e estimativa de recursos, dos depósitos de turfa da faixa costeira do estado de Sergipe, o Serviço Geológico do Brasil (SGB), por meio da Diretoria de Geologia e Recursos Minerais (DGM), apresenta o projeto Reavaliação do Patrimônio Mineral - Área Turfa de Santo Amaro das Brotas.

Os depósitos de turfa estão inseridos em uma planície costeira formada por sedimentos com idades que variam do período Pleistoceno ao Holoceno e compreende terraços arenosos marinhos antigos e recentes, em grande parte estruturados como cordões litorâneos subparalelos à linha de costa, além de sedimentos flúvio-lagunares e fluviais. Dados estimados apontam recursos globais de quase 57 milhões de toneladas.

O documento indica que as ocorrências de turfa estão ligadas a áreas alagadas e pantanosas, associadas principalmente a depressões lagunares instaladas sobre terraços marinhos pleistocênicos, isoladas por cordões litorâneos mais recentes, holocênicos.

A estratigrafia dos depósitos tem, como substrato, sedimentos arenosos correlacionados a terraços marinhos pleistocênicos. O nível inferior do depósito de turfa geralmente está marcado por níveis argilosos em cores com tons de cinza, que podem estar separados do embasamento por níveis arenosos, com contribuição de matéria orgânica e/ou argilas, ou por turfas arenosas.

Alguns aspectos destacam-se na avaliação dos depósitos:

• a localização privilegiada, adjacentes aos potenciais centros consumidores;

• a excelente infraestrutura da região;

• a existência de quase uma dezena de ocorrências de turfa, distribuídas a norte das áreas pesquisadas, até a margem do Rio São Francisco, ainda carentes de estudos com maior detalhamento, que acrescentariam, em muito, a disponibilidade dos recursos da substância;

• estudos atuais sobre aplicações da substância, que vão muito além do uso energético e na agricultura, constituindo insumo para as indústrias química, têxtil e de bebidas, assim como na construção civil.

No Brasil, a turfa tem sido utilizada para outros fins, como condicionador de solo, biofertilizante e para uso como substrato de mudas. Existindo ainda a possibilidade de uso como fonte energética em regiões desprovidas de infraestrutura para o gás natural e sem recursos de carvão, que seriam seus maiores concorrentes.

Deve-se considerar, no entanto, que os custos de aproveitamento da turfa são reduzidos, não havendo necessidade de implantação de grandes e onerosas estruturas para sua produção.

A linha de atuação “Reavaliação do Patrimônio Mineral” constitui uma série de atividades com a finalidade de resgatar e validar informações e dados geológicos, geofísicos e geoquímicos. Esses dados são integrados e reinterpretados e, tanto quanto possível, são modelados e estimados conforme preconizado nos códigos internacionais de classificação de recursos e reservas.

A ação visa criar um banco de dados crível e autoditável, em formato digital, cujas informações serão integradas e reavaliadas para apoiar a valoração dos depósitos e indicar blocos de áreas para licitação via Programa de Parceria de Investimentos.

Acesse aqui o estudo completo.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

O projeto Reavaliação do Patrimônio Mineral – Área Turfa de Santo Amaro das Brotas está alinhado a quatro dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU). São eles:

• Energia limpa e acessível;

• Trabalho decente e crescimento econômico;

• Indústria, Inovação e Infraestrutura;

• Consumo e produção responsáveis.

Núcleo de Comunicação
Serviço Geológico do Brasil
Ministério de Minas e Energia
Governo Federal
imprensa@sgb.gov.br







  • Imprimir